Escassez de água vai aprofundar a crise alimentar no planeta

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O crescimento populacional e a escassez de água vão aprofundar crise alimentar e ambiental no mundo, um cenário que apenas melhores técnicas de agricultura e o uso mais inteligente do ecossistema irão afastar, afirma um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado hoje.

A população global deverá aumentar de sete bilhões em 2011 para pelo menos nove bilhões até 2050, aumentando a demanda por água, que já é extremamente escassa em muitos países e deve tornar-se ainda mais por causa do aquecimento global.

“Atualmente, 1,6 bilhão de pessoas vivem em áreas com escassez de água. Esse número pode facilmente crescer a dois bilhões em breve, se continuarmos no curso atual”, diz o relatório. “Com as mesmas práticas (de agricultura), a urbanização crescente e os atuais padrões de dieta, a quantidade de água necessária para a agricultura em termos de evapotranspiração teria de aumentar entre 70% e 90% para alimentar nove bilhões de pessoas até 2050″, conforme a ONU.

O documento, de 35 páginas, foi compilado pelo Programa Ambiental da ONU (UNEP) e pelo Instituto Internacional de Gestão de Água (IWMI). A divulgação ocorreu hoje, no início da Semana Mundial da Água, que está sendo realizada em Estocolmo, na Suécia.

O relatório alerta que em muitos países de alta intensidade agrícola, os limites do uso da água foram “atingidos ou ultrapassados”. Entre essas regiões estão o norte da China, o Punjab, área de alta densidade hídrica, na Índia, e o oeste dos Estados Unidos.

As alterações climáticas vão acentuar a escassez de água, na medida em que vai alterar os padrões e a intensidade das chuvas. Só na África, a produção agrícola pode ser reduzida em 15-30% até final do século. O contínuo emprego das atuais técnicas agrícolas, com foco no uso cada vez mais amplo da terra, seria desastroso, diz o documento.

“Se as mesmas práticas de agricultura continuarem a ser utilizadas, haverá degradação inevitável ou destruição completa da água doce da Terra e dos ecossistemas costeiros que são vitais para a própria vida”.

“Precisamos trazer a agricultura mais e mais para a ‘economia verde’, em que as práticas agrícolas protegem os preciosos recursos hídricos, da mesma forma que a gestão de valor das florestas ajuda a reduzir emissões de gases estufa”, disse o chefe do IWMI, Colin Chartres.

Agência Estado