Nova aferição do PIB

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Os indicadores do crescimento brasileiro deverão passar a considerar aspectos ambientais e sociais. Em audiência pública realizada na manhã desta terça-feira (28), no Senado, representantes do Legislativo e de universidades discutiram a criação do novo índice como forma de substituir a medição do Produto Interno Bruto (PIB). A iniciativa é um desdobramento das discussões da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

A mudança tem o objetivo de estimular o desenvolvimento sustentável e mudar os padrões de produção e consumo. “Existem diferentes indicadores de riquezas. O PIB é um dado representativo para os valores do século passado, e não para a sociedade complexa em que vivemos atualmente”, defendeu o professor Ladislau Dowbor, da PUC-SP, um dos participantes da sessão da Comissão de Meio Ambiente (CMA).

Consequências - O índice de crescimento baseado em valores ambientais, no entanto, ainda precisa ser formulado. De acordo com o presidente da CMA, senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), representantes de órgãos técnicos e estatísticos serão consultados para definir a forma sobre como será realizado o cálculo. “O PIB mede a movimentação da economia e desconsidera as consequências”, disse. “Alguns desses fatores, porém, contribuem para a piora na qualidade de vida”.

Entre as conclusões da Rio +20, houve a identificação das limitações do PIB por representar a soma de bens e serviços finais produzidos por um país. Com a criação do índice, a intenção é incluir a valorização monetária do capital natural nos cálculos que servem como termômetro do crescimento das nações.

Fonte: Lucas Tolentino/ MMA