Agronegócios têm boa imagem nas grandes capitais brasileiras

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Segundo a matéria publicada no Valor Econômico, o presidente da Abag, Luiz Carlos Carvalho diz que a consolidação do Brasil como um dos líderes mundiais do agronegócio começa a ter o reconhecimento também de quem vive nos centros urbanos do país: 81,3% da população das grandes capitais brasileiras considera o agronegócio uma atividade “muito importante” para a economia nacional. Contudo ele se diz surpreso com os dados do Sudeste onde 58,5% dos pesquisados afirmaram que não conheciam o agronegócio, percentual bem acima da média nacional, que ficou em 40,4%.

Essa foi a principal conclusão de uma pesquisa inédita encomendada pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e que teve o apoio do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM, cita o Valor. De acordo com a matéria, para a realização da pesquisa, foram entrevistadas 600 pessoas, de todas as classes sociais e níveis de escolaridade, no início do ano nas 12 maiores capitais do país – São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília, Manaus, Belém, Goiânia, Curitiba e Porto Alegre.

O Valor Econômico diz que a pesquisa, que foi elaborada pelo Instituto de Pesquisa IPESO, também mostrou que em regiões onde a atividade rural é mais intensa, o percentual de pessoas que classifica como muito importante o setor é ainda mais expressivo. “No Centro-Oeste, por exemplo, quase a totalidade dos entrevistados afirma que é ‘muito importante’ para a economia brasileira. Na região Sul, o percentual chegou a 90,1%, caindo para 81,8% no Norte, e para 75% no Nordeste”. Já no Sudeste, de acordo com a matéria, o percentual ficou em 73,3%, o mais baixo, afirma Luiz Carlos Carvalho.

O presidente da Abag, disse que a informação sobre o Sudeste surpreendeu e que os dados da pesquisa serão repassados a todos os setores dentro da atividade. A Abag também deverá refletir como será o trabalho daqui para frente diante do estudo.
Segundo a reportagem do Valor, onze por cento dos entrevistados também disseram ter grande interesse pelo agronegócio e 44,3% afirmaram não ter nenhum interesse. Para os participantes da pesquisa, o Brasil é considerado pela população das grandes cidades o país em que o agronegócio está mais desenvolvido, superando nações como Estados Unidos, Japão, China, entre outros. Comparado com outros setores da economia, o agronegócio situa-se numa posição muito semelhante à da construção civil, de grande gerador de empregos, mas com baixo índice de inovação tecnológica e de mecanização, conforme a visão dos entrevistados. A atividade também foi associada ao desmatamento e ao consumo de água.

Esta reportagem é do Valor Econômico, resumida e adaptada pela equipe MilkPoint.