Agência de fomento americana deixa de fomentar US$ 4 bilhões em pesquisas por falta de verba

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Conseguir uma fonte de financiamento é essencial para que as pesquisas científicas  obtenham resultados. Porém, um empecilho para pesquisadores e cientistas é conseguir recursos por meio de fundos de amparo. A realidade é similar em quase todos os países do mundo. E mesmo os Estados Unidos sofrem com este problema, a despeito do orçamento anual de US$ 7,7 bilhões da National Science Foundation (NSF), principal agência de fomento à pesquisa básica daquela nação.

De acordo com a diretora da organização, France Córdova, muitas pesquisas são negadas por falta de condições financeiras da NSF. As propostas,apesar de negadas, foram qualificadas com níveis “muito alto” ou “excelente”, segundo a dirigente.

“Temos deixado de aprovar cerca de US$ 4 bilhões em boas propostas de pesquisa a cada ano – e o número de propostas sempre aumenta. Com isso, estamos perdendo apenas descobertas, como descobridores. O fato é que nosso orçamento não tem acompanhado as nossas necessidades”, afirmou Córdova, durante o Fórum sobre Políticas em Ciência e Tecnologia da American Association for the Advancement of Science (AAAS), em Washington, capital dos EUA.

Para 2016, a projeção é que o orçamento da NSF cresça 5,2%. Para France Córdova, este valor representa o compromisso do presidente Barack Obama em apoiar a ciência e o empreendimento científico nos Estados Unidos.

(Agência Gestão CT&I, com informações da Agência Fapesp)