As várias opções para a produção de biogás no Brasil

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Para enfrentar os desafios das mudanças do clima e as exigências do mercado internacional, a pesquisa brasileira tem de estar na vanguarda do conhecimento. É o que afirma o professor e pesquisador do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo (Cena-USP), Carlos Cerri. Ele foi um dos palestrantes do segundo dia do Congresso Brasileiro de Soja e Mercosoja, que ocorrem em Florianópolis (SC).

De acordo com Cerri, cientistas brasileiros precisam conhecer os sistemas produtivos e quantificar a pegada de carbono de cada cadeia.

“O Brasil precisa gerar dados, precisa estar na vanguarda. Temos de fazer pesquisa de ponta e publicarmos para termos os dados e proteger a nossa agropecuária”, afirmou Cerri.

Como exemplo ele apresentou a situação do biodiesel de soja brasileiro utilizado na Europa. Para ser viável, ele deve apresentar uma redução de 35% na emissão de carbono equivalente em relação ao combustível fóssil. Números gerados fora do país indicaram que esse índice era de apenas 31%, o que inviabilizava seu uso. Entretanto, ao pesquisar a campo, encontrou uma redução de 65 a 68%.

“Avaliamos toda a cadeia produtiva, com dados obtidos desde as fazendas até a chegada do biodiesel ao consumidor europeu, e encontramos uma redução de 65 a 68% das emissões. Vimos que o biocombustível brasileiro é competitivo”, disse o pesquisador.

O maior uso de biocombustíveis é uma das ações apresentados por Cerri para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e consequentemente o aquecimento global. Como uma das principais atividades emissoras de gases, a agropecuária também pode contribuir nesse processo. Para isso, estratégias como a recuperação de pastagens degradadas, a fixação biológica de nitrogênio, o plantio direto na palha, a integração lavoura-pecuária-floresta, o reflorestamento e o tratamento de resíduos animais são ações que contribuem para menor emissão e fixação de carbono no solo.

“As alternativas já existem e outras estamos produzindo. Na medida em que conhecemos as fontes de emissão, vamos encontrar novas alternativas”, disse o pesquisador da Cena-USP.

De acordo com o Carlos Cerri, em menor ou maior escala, as estratégias conhecidas já estão sendo adotadas no Brasil. Aliadas à redução do desmatamento, elas têm contribuído para que as emissões de gases de efeito estufa não sejam maiores no país. Porém, ainda é preciso maior adoção dessas tecnologias.

“As soluções para a redução das emissões já estão ocorrendo. Mas é preciso fazer uma agricultura com mais inovação, mudando as práticas. Para isso, precisamos de novos profissionais em áreas como modelagem, informática, agricultura de precisão, entre outras”, ressaltou.

FONTE: AGROIN