Tecpar apoia empresas para definir política de logística reversa

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Empresas da área agrícola e agropecuária que buscam definir seu plano de logística reversa podem contar com o apoio do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) para estudar a melhor forma de cumprir a legislação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e as resoluções estaduais que fiscalizam o cumprimento da lei no Paraná. A lei que institui a política de logística reserva define que a destinação final dos resíduos, como embalagens, por exemplo, é de responsabilidade do fabricante.

Empresas que comercializam produtos que têm componentes químicos em suas composição precisam, para poder definir ações de logística reversa, atestar que as embalagens, ao término do uso do produto, não contêm mais resíduos químicos. São em casos como esse que os laboratórios do Tecpar podem dar apoio às empresas, explica Daniele Adão, gerente do Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente do instituto. “Nossos laboratórios estão equipados para oferecer aos clientes do Tecpar maior agilidade e confiabilidade nas análises realizadas. Nossas soluções tecnológicas podem ajudar os empresários a definirem a melhor forma de cumprir a legislação de política reversa”, ressalta Daniele.

O mestre em Química Analítica do Tecpar, Lúcio Bolognesi, explica que o plano de logística reversa de uma empresa pode ser aberta, quando a embalagem pode ser destinada à reciclagem comum, ou fechada, quando a própria empresa vai até o ponto de descarte para coletar o resíduo final. “Para definir se pode ser aberta ou fechada, entretanto, é preciso comprovar que a embalagem no fim do processo ainda contém resíduos químicos ou não”, pontua Bolognesi.

Recentemente, o Tecpar foi contratado pela Associação Paranaense de Sementes e Mudas (Apasem) para realizar estudos de determinações qualitativas e quantitativas de resíduos de agrotóxicos em embalagens de sementes tratadas. O contrato prevê a coleta, a avaliação das embalagens, a classificação e a elaboração de relatórios, como subsídios para elaboração da proposta ao estabelecimento da logística reversa das embalagens de sementes tratadas.

Ao final do estudo, o grau de toxicidade das embalagens será conhecido, o que permitirá definir a forma da destinação final. O estudo inclui princípios ativos utilizados atualmente para tratamento no Paraná, com espécies de sementes como cereais de inverno, feijão, soja e milho.

Fonte: Página sustentável