PEC 241 pode congelar o pior orçamento para a ciência dos últimos sete anos

segunda-feira, 17 de outubro de 2016
São Paulo – Se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016, que limita aos gastos públicos por 20 anos, for aprovada, pode representar o congelamento do pior orçamento para a ciência nos últimos sete anos. O alerta é da biomédica Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

A preocupação da cientista pode ser medida em números. O orçamento federal para a ciência brasileira neste ano é de R$ 4,6 bilhões, cerca de 40% menos que em 2013, quando foram investidos R$ 7,9 bilhões, desconsiderando perdas pela inflação.

De acordo com cientistas, o montante reservado para a ciência, tecnologia e inovação está tão baixo que mal consegue suprir o funcionamento das atividades de pesquisa em andamento, e avançar se torna impossível.

Em documento distribuído aos deputados federais, em Brasília, na semana passada, a SBPC e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) advertem que uma das pesquisas prejudicadas será a do combate ao zika vírus.

“Entendemos a necessidade do ajuste fiscal. No entanto, reduzir os investimentos públicos em educação, ciência, tecnologia e inovação vai na contramão dos objetivos de efetivamente tirar o Brasil da crise”, alertam, na nota. “A experiência mundial nos mostra que, sem investimentos consistentes e permanentes (nos setores apontados)  não há desenvolvimento econômico.”

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Helena Nader afirmou temer ainda a fuga em massa de cérebros para o exterior, caso se estabeleçam os baixos patamares de investimento. “O que estamos dizendo para os nosso jovens cientistas é: se você tem condições de ir embora do Brasil, vá; porque aqui a ciência não é valorizada.”

Rede Brasil Atual