Parque Tecnológico do DF deve sediar a Embrapatec

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, sancionou a lei de criação do Biotic — Parque Tecnológico nesta terça-feira (10), no Palácio do Buriti. A Embrapa é uma das principais instituições impulsionadoras do empreendimento, voltado para inovação, tecnologia da informação, biotecnologia e comunicação, com capacidade para abrigar cerca de 1,2 mil empresas.

Durante o evento, o presidente da Embrapa, Maurício Lopes, anunciou que a Embrapatec, o braço de operações da Embrapa no mercado de inovação, deve ser sediada no Biotic. “O Distrito Federal tem tudo para se destacar como um grande centro de pesquisa e inovação no Brasil”, disse.

Rollemberg anunciou que a Terracap fará um pregão ainda em janeiro para selecionar o agente financeiro que gerirá o fundo de investimento do parque. Em fevereiro, a lei de inovação do Distrito Federal será encaminhada à Câmara Legislativa. A previsão é que em junho seja lançada a primeira oferta pública de ações para investidores e, em novembro, comece a construção do primeiro bloco.

O local será gerido pelo fundo de investimento e ocupará uma área de 1,2 milhão de metros quadrados, entre a Granja do Torto e o Parque Nacional de Brasília. Já funcionam no parque os centros de processamento de dados do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal e uma subestação da Companhia Energética de Brasília (CEB).

O Parque Tecnológico começou a ser pensado no início dos anos 2000. Na época, a ideia era reunir empresas ligadas às áreas de tecnologia da informação e telecomunicações, com o nome de Capital Digital.

Na lei sancionada pelo governador, o escopo do parque foi ampliado, com a possibilidade do desenvolvimento da biotecnologia. Maurício Lopes elogiou a forma como o conceito foi delineado. “Olhar para a transformação digital na confluência com a bioeconomia é visionário”, disse.

Empresa-âncora

“A Embrapa é uma grande empresa âncora, e a instalação dela serve de atrativo para que outras se instalem no parque”, afirmou o presidente da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), Júlio César Reis. “O Biotic apresenta uma alternativa à matriz econômica do Distrito Federal, focada em serviços públicos.”

Em outubro de 2016, foi assinado termo de cooperação em que a Empresa demonstrava interesse em participar do parque. “Esse empreendimento tem tudo a ver com o que está acontecendo na Embrapa neste momento”, disse Maurício Lopes.

Ele comentou que a Empresa está revendo suas estruturas de negócio, de acordo com o novo Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, e vai instalar o seu núcleo de inovação tecnológica. Lopes citou também que o projeto de criação da Embrapatec está em tramitação no Congresso Nacional.

“Vamos concentrar no Distrito Federal a capacidade inovadora da grande rede Embrapa, a partir da Embrapatec e do Biotic, um empreendimento poderoso e forte, para colocar de vez a Embrapa no mundo da bioeconomia e da transformação digital, produzindo mais valor e entregas para a sociedade brasileira”, disse Lopes.

Lopes lembrou ainda que Brasília está localizada no centro do cinturão tropical do globo, a região com maior biodiversidade e onde existe o maior potencial de recursos naturais para o desenvolvimento. “Espero que os empresários compreendam o poder que essa marca Biotic poderá ganhar no futuro, e como poderá distinguir Brasília”.

A concepção do Biotic foi elaborada pela Terracap em parceria com a Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra) e a Secretaria Adjunta de Ciência, Tecnologia e Inovação, da Casa Civil.

Larissa Morais (MTb/SP 48218)
Secretaria de Comunicação
larissa.morais@embrapa.br