Investigação na China responsabiliza cerca de 500 pesquisadores por fraude

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Uma investigação conduzida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia da China concluiu que 486 pesquisadores do país estão envolvidos em fraudes que em abril deste ano levaram à retratação de 107 artigos publicados no periódico Tumor Biology em 2016. A notícia, divulgada na sexta-feira (28) pela agência chinesa Xinhua, começou a repercutir no meio científico internacional no início da tarde desta segunda-feira por meio do blog Retraction Watch, especializado em retratações acadêmicas.

A investigação não encontrou indício de fraude em um dos 107 artigos retratados pela revista. As retratações aconteceram após outra apuração, realizada pelo grupo editorial acadêmico Springer Nature, constatar que a revisões por pares desses trabalhos haviam sido comprometidas por diversas formas de más condutas, inclusive por meio de endereços de e-mails “fabricados” que eram falsamente atribuídos a revisores verdadeiros.

Segundo a agência de notícias chinesa, a investigação atingiu 521 autores, dos quais 11 foram considerados inocentes e 24 ainda estão sob apuração. Entre os 486 considerados culpados de má conduta, 102 foram considerados diretamente responsáveis, 70 foram apontados por responsabilidade secundária e os demais 314 foram considerados culpados por negligência no gerenciamento ou no controle das atividades de pesquisa.

Ainda segundo a Xinhua, 376 dos autores envolvidos na investigação do governo chinês foram proibidos por suas instituições de participar de programas de pesquisa por diferentes períodos de tempo, além de receberem punições como cancelamento de promoções, obrigação de restituir recursos de apoio a pesquisas e revogação de prêmios e outras distinções. Estão previstas também punições disciplinares para eles com base em regulamentos de  suas instituições e até do Partido Comunista.

O Ministério da Ciência a Tecnologia suspendeu a avaliação de 20 projetos de pesquisa de 21 dos autores envolvidos na investigação. Um dos pesquisadores investigados teve suspensa sua candidatura para a Academia Chinesa de Engenharia.

Além do Ministério da Ciência e Tecnologia, participaram da investigação o Ministério da Educação, a Comissão Nacional de Saúde e Planejamento Familiar, a Fundação Nacional de Ciências Naturais e a Associação Chinesa para a Ciência e Tecnologia.

Direto da Ciência – MAURÍCIO TUFFANI, Editor