Iniciativa privada adota tecnologia para produção de embalagens inovadoras

quinta-feira, 31 de julho de 2014

A assinatura de contratos de transferência da tecnologia para a produção de embalagens com duas empresas do ramo encerrou o projeto Desenvolvimento de embalagens valorizáveis para o acondicionamento de frutas e hortaliças executado pela Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro, RJ), Instituto Nacional de Tecnologia (INT) e Instituto de Macromoléculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IMA UFRJ). Na sexta-feira, dia 25/7, o pesquisador da Embrapa Antonio Gomes Soares apresentou a conclusão do projeto à Diretoria de Projetos do Fundo de Tecnologia (FUNTEC-BNDES), na sede do BNDES, no Rio. Além dos contratos assinados, outras empresas interessadas na tecnologia estão negociando sua adoção.

O projeto de pesquisa financiado com recursos do FUNTEC foi pioneiro e coroado de êxito, tendo percorrido e concluído todo o ciclo de inovação tecnológica que inclui as etapas de pesquisa e desenvolvimento, transferência ao setor produtivo, e de inovação, quando o resultado das fases anteriores se torna objeto de negócio no mercado. O projeto visava contribuir para diminuir os graves índices de perdas de produtos hortifrutícolas no Brasil, causados, entre outras razões, pela utilização de embalagens que não protegem adequadamente os produtos durante o transporte e a comercialização. A reunião das competências da equipe das três instituições levou ao desenvolvimento de conceitos que resultaram em sistemas de embalagens para manga, mamão, caqui, morango e palmito pupunha com desenhos anatômicos para a adequada acomodação e proteção dos produtos, articuladas, termo injetadas e termo formadas, retornáveis e flexíveis, que podem ser fechadas quando não estiverem em uso. O caráter inovador das embalagens obteve reconhecimento internacional e nacional expressos nos prêmios que recebeu: o International Forum Design, o mais importante do design mundial, na categoria packaging design 2013, e o Prêmio Brasil Design Award 2013 na categoria Embalagem para Alimentos.

O projeto resultou também em 37 depósitos de patentes: uma Patente Industrial, duas de Modelo de Utilidade e 34 de Desenhos Industriais, já aceitos pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI).

O BNDES externou interesse em manter a equipe e a linha de pesquisa o que coincide com a vontade dos pesquisadores. O Dr. Gomes Soares informa: “Já temos uma ideia alinhavada para um novo projeto de embalagens para outras frutas com aspectos inovadores como o uso de nano partículas para conferir ao material flexibilidade e estrutura para suportar peso. Além disso, será aproveitado resíduo da agricultura, rico em celulose, como substituto parcial de polímeros derivados de petróleo”.

Fonte: Embrapa